O LANCHE DA MOURA OUREANA

Diz a lenda que o nome Ourém tem origem na história de uma moura que se apaixona pelo guerreiro Gonçalo Hermingues. Na conquista de Alcácer do Sal, o nobre guerreiro rapta a moura e pede a D. Afonso Henriques que lhe conceda a honra de casar com a moura de nome Fátma. O rei concede o desejo do casal, com a condição de a moura se converter ao cristianismo. Durante os preparativos do casamento, a moura ficou protegida nas terras que hoje conhecemos como Fátima. Em agosto a festa chegaria ao Castelo de Abdegas (Ourém), com o batizado de Fátma a quem fora dado o nome de Oureana. No mesmo dia fora celebrado o casamento.

A fama, a beleza da moura e o amor que a unia ao valente guerreiro, levariam o povo a mudar o nome de Abdegas para Ourém.

Assinalando a lenda e todo o ritual do convívio e partilha de histórias, a Ucharia do Conde promove o “Lanche da Moura Oureana”.

À mesa sugerimos uma pequena mostra da doçaria tradicional do concelho como por exemplo:

Bailarote – semelhante á filhós, que em cada recanto de Portugal é conferido um nome próprio. Temos os bailarotes que no fundo são massa do pão à qual se acrescentam ingredientes à medida de cada casa, como por exemplo ovos, limão ou laranja, água-ardente e, em alguns casos, abóbora.

Bolo do arco – O Bolo do Arco ou bolo dos casamentos é uma tradição deste concelho por ser a oferenda dos noivos aos convidados do casamento. Outrora o bolo serviria para confortar os convidados durante as viagens longas até casa, à época feitas a pé ou de carroça. O Bolo do Arco tem a particularidade de se conservar durante muitos dias. A sua base é também a massa do pão sendo que ao paladar realçam os sabores das especiarias de uso tradicional, que se supõem introduzidas nos nossos hábitos alimentares pelo IV Conde de Ourém. As mais importantes serão a canela, a erva-doce e o colorau.

Bolo de azeite – é um bolo simples cujo ingrediente principal é o azeite de Ourém, predominante no sabor e conferindo uma textura fofa ao bolo, assemelhando-se aos bolos tradicionais das mesas de Domingo  ou dos dias festivos.

Tarte D. Mécia – De forma a elogiar as personagens mais emblemáticas na história de Ourém, a nossa Cozinheira (Sónia) sugere esta tarte de abóbora, simples na sua apresentação, mas repleta de sensações e mistérios na textura da sua massa e no sabor do seu recheio.

Arroz Doce – comum um pouco por todo o país, o arroz-doce marca desde há muito a nossa gastronomia. Como tradição que passa de boca em boca, é uma sobremesa centenária, presente nos casamentos em Ourém.